Briga por apoio político afasta prefeitos de vices antes das eleições começarem

BAIXADA - Desentendimentos já causaram demissões e mudança de lado

As eleições ainda nem começaram oficialmente e já colocam de lados opostos ao menos quatro prefeitos e seus vices na Baixada, além de separarem dois irmãos, até então, aliados políticos — caso de Queimados. Itaguaí e Mesquita tiveram gabinetes desocupados. Em Belford Roxo, o vice foi demitido de Secretaria de Educação; e, em São João de Meriti, vice é figura quase decorativa.

O mais recente quiproquó ocorreu em Itaguaí, onde o vice-prefeito Wesley Pereira — que na época da aliança estava no PT e, hoje, encontra-se sem partido — acusa o prefeito Luciano Mota, do PSDB, de descumprir acordos sobre a condução do município. Para além dos assuntos locais, porém, está em jogo quem cada um apoiará no pleino de outubro para o governo do estado. “Quem tiver o apoio do prefeito, terá minha oposição”, adianta Pereira.

Em carta aberta distribuída em março pelos Correios aos mais de 82 mil domicílios da cidade, ele denunciu o que chama de decaso na Saúde e nos programa sociais, a ausência de plano para a Educação e a desordem urbana. Ele reclama ainda que poucas pessoas da cidade comandam as secretarias. "Sem falar das denúncias de corrupção”, completa ele. O movimento, do qual é um dos líderes, chegou a reunir, na última semana, dezenas de pessoas no Centro da Cidade, pedindo a renúncia do prefeito.

Com discurso aparentemente conciliador, porém, Luciano Mota afirma lamentar o rompimento e garante que ainda está à disposição do vice o gabinete dele. Mas provoca, revelando que, embora rompidos e sem dar expediente, Wesley continua a receber seu salário.

Antes da querela em Itaguaí — ainda em 2013 — e a 53 quilômetros de lá, em Mesquita, o prefeito Gelsinho Guerreiro, do PSC, numa só canetada publicada no Diário Oficial, desmontou toda a estrutura do vice Waltinho Paixão, do PRP, exonerando, assim, todos os servidores do gabinete. O motivo para o ato intempestivo muda conforme quem conta.

“Recusei a proposta do prefeito de abrir mão da minha pré-candidatura a deputado estadual em favor da mulher dele”, relata Paixão. A versão é negada, porém, por Guerreiro, que afirma categoricamente:“Mentira!” Segundo ele, a separação deles não é política. É pessoal. “Não tem nada a ver com a pré-candidatura da minha mulher. Rompemos por questões pessoais”, retruca, ameaçando: “Se ele me provocar, eu vou revelar o que é.”

A briga em Queimados ocorre em família e por causa de uma outra família: a Picciani. Na política há 14 anos e sempre à sombra do prefeito Max Lemos, o irmão Lenine decidiu aparecer. Colocou-se como pré-candidato a deputado federal, representando o município. Não contava, porém, com a lealdade de Max ao presidente do PMDB do Rio, Jorge Picciani, que quer reeleger o filho Leonardo a deputado estadual e Rafael, a federal.

Confusão em Queimados por causa da família Picciani

“Não quero montar aqui uma república da família. Não faço política familiar”, justifica-se o prefeito. Lenine, por sua vez, retruca.“Ele diz não querer fazer política familiar, mas apoia alguém que acha que a República é da família”, diz, referindo-se a Jorge Picciani.

Educador e pós-graduado em gestão pública, Lenine deixou o PMDB e se filiou ao PDT. Com isso, ambos apoiarão presidenciáveis diferentes. Max quer Aécio; Lenine, Dilm
a.






Via O Dia
Por Nonato Viegas
15/06/2014

0 comentários :

Postar um comentário